Jump to content





* * * * * 1 votes

4 tipos de igrejas que vão morrer em breve.

By Giovanni Guimarães, 21 September 2016 · 828 views

4 tipos de igrejas que vão morrer em breve.

A morte não é um tema que gostamos. Morte de igrejas então, nem se fala.
Eu amo a igreja local. Eu a amo apesar de suas falhas, pecados e hipocrisias. Jesus me ama apesar de minhas falhas, pecados e hipocrisias. Mas muitas igrejas estão morrendo. E a taxa de igrejas moribundas está aumentando. Tenho andado preocupado.
Sei, a partir de uma perspectiva bíblica, que a noiva de Cristo será vitoriosa, que as portas do inferno não prevalecerão contra ela (Mt 16:18).
Mas isso não significa que individualmente algumas congregações não irão morrer. Elas irão. Elas irão. A menos que Deus intervenha.
Existem quatro tipos de igrejas que em breve vão morrer. É triste ver igrejas nestas categorias. Algumas congregações estão em mais de uma e algumas estão em todas quatro.
1. A Igreja sem Bíblia.
Essas igrejas têm abandonado as verdades da Escritura. Algumas são explícitas em suas negações. Mas muitas apenas emprestam a capa da Bíblia. A congregação não estuda as Escrituras. O pastor não lida com textos bíblicos e todo o conselho de Deus. A Bíblia é apenas mais um livro que raramente é lido, estudado ou proclamado. A Palavra de Deus não tem poder nessas igrejas.
2. A Igreja Clube.
Os membros destas igrejas veem a sua adesão como algo que lhe dá regalias e privilégios. Eles querem que seus estilos de música, seus tempos de culto ou estudo, seus tipos de pastores e seus estilos de programas. Afinal, eles pagam as contas da Igreja, então devem ter seus benefícios. Se não for assim os membros não vão. Não peça a eles para evangelizar, para colocar outros em primeiro lugar ou para fazerem sacrifícios. Afinal, é a igreja deles.
3. A Igreja das “más obras”.
Se você quer ver uma “boa briga”, vá uma destas igrejas. Suas reuniões de diretoria têm mais confusões do que uma partida de futebol. Você vai ver muitos destes membros da igreja falando do pastor regularmente. E não são palavras agradáveis. Estas são igrejas onde valentões usam a força para ver seus projetos pessoais serem realizados, onde os partidos e panelinhas trabalham nos bastidores, onde fofocas e traições são comuns. Essas igrejas gastam a maior parte de sua energia em disputas. Por isso, não têm o tempo e a energia para compartilhar a boa nova do Evangelho.
4. A Igreja fora da Comunidade.
Vá a estas igrejas e olhe para os membros. Vá à comunidade e olhe para os moradores. Eles não são parecidos em nada. Eles não se vestem iguais. Eles não vão aos mesmos lugares. Parecem não partilhar dos mesmos problemas sociais. A comunidade mudou, mas a igreja não. “Essas pessoas” estão do lado de fora. “O nosso tipo de pessoas” está no interior. A ideia de construir pontes para a comunidade possui uma forte resistência. Chega mesmo a ser repulsiva.
Quantas igrejas no Brasil hoje se insere claramente em uma ou mais destas categorias? Eu não fiz uma pesquisa objetiva, mas não ficaria surpreso se o número fosse maior que 50 por cento.
Muitas igrejas estão morrendo. Então, como posso permanecer otimista sobre estas igrejas?

Rev. Giovanni Guimarães






February 2017

S M T W T F S
   1234
567891011
12131415161718
19202122 23 2425
262728    

Recent Entries